A DIMENSÃO DOS ELFOS (Capítulo XVIII)

Enquanto Cibele, a pedido de Derlo, conversava com Lorena para sondar o seu coração; na dimensão dos elfos, Eliel contemplava as estrelas, sentado na grama, recostado à parte externa da árvore de sua mãe. Ao pressenti-lo tão distante, Crisbela comentou:

– Você não conseguiria viver no nosso mundo, filho, porque o seu coração está em outro lugar. Por que não esquece esse amor e não se apaixona por uma das moças daqui? Acalentar essa paixão por uma bruxa só lhe trará problemas e desilusões. Além disso, se ela for tão apegada àquele amigo como você mesmo disse, a essa altura ela pode ter cedido à insistência e à constância de seu amor. Se você continuar aqui, eu lhe garanto que sofrerá muito menos. Há um ditado entre os humanos que diz: “O que os olhos não veem o coração não sente.” Eu me escondi atrás de uma árvore e vi o seu pai passeando com o seu novo amor naquela mesma praça onde costumávamos caminhar de mãos dadas. Eu nunca mais consegui esquecer e, ainda hoje, daria tudo para não ter presenciado aquela cena. Se Cibele aceitou o amor de Tadeu, ela ficará constrangida com o seu retorno e encontrará dificuldade em reconsiderar a sua decisão. Liberte-a, meu filho, e desperte para o momento.

Eliel exclamou:

– Eu não tenho escolha! Eu voltaria para Cibele independentemente de qualquer decisão que ela possa ou não ter tomado em relação a Tadeu. Sinto-me um prisioneiro neste lugar. Sinto-me tão sufocado aqui quanto me sentia no Coração das Fontes antes de vir para cá. Eu daria tudo para estar ao lado de Cibele. Sem ela, eu percebo a inutilidade da minha existência.

Crisbela aconselhou ao vê-lo levantar-se:

– Não passe novamente a noite no sereno. Entre na árvore e descanse.

Ele disse:

– Eu não quero descansar. Eu preciso voltar àquele portal. Se eu insistir, ele acabará se abrindo. Além disso, eu gosto daquela árvore. Estive pensando em fazer dela o meu lar.

Crisbela afirmou:

– Você já tem a sua árvore. Não me disse que daqui a poucos dias ela se mudará para cá?

Eliel, controlando-se para refrear as lágrimas, disse:

– Cibele sentirá falta da minha árvore.

Crisbela exclamou:

– Esqueça essa mulher, meu filho! Você está enfeitiçado. Eu não queria lhe dizer, mas bruxas e elfos não combinam! Ela o engana quando faz parecer que gosta da sua árvore. Bruxas zombam da nossa necessidade de viver em árvores. Liberte-se dessa obsessão que você chama de amor.

Eliel afirmou:

– Eu passarei a noite recostado àquela árvore como tenho feito todas as noites desde que cheguei aqui. Não se preocupe, porque eu ficarei bem. Que mal poderá me acontecer num lugar paradisíaco como este, onde todos são pacíficos?!

Crisbela disse:

– É com o mal que você voluntariamente faz a si próprio que eu estou preocupada. Você bem sabe que eu já passei por uma situação semelhante em relação a você e Crisélia. Quando eu atravessei o portal e acabei deixando-os para trás sem desejar, o meu coração se estilhaçou de saudade. Todos os dias, eu visitava aquela árvore e desejava que o portal tornasse a se abrir para que eu pudesse voltar para protegê-los e vê-los crescer. Na época, quando todos me aconselhavam para deixar o passado para trás porque a energia do portal se extinguira, eu me revoltava e me isolava por imaginar que eles eram insensíveis ao meu sofrimento. É o que está acontecendo com você. Eu só o estou alertando para evitar que se decepcione e sofra ainda mais.

Eliel preferiu calar-se para não aborrecê-la e evitar estender aquele diálogo além do limite do tolerável. Beijou-lhe o rosto e caminhou por uma hora na direção do portal. Poderia ter usado sua magia para conduzi-lo até lá, mas pensou que a caminhada lhe faria bem. Olhou para o céu e imaginou Cibele vindo ao seu encontro, montada naquele unicórnio alado que Florêncio roubou para presenteá-la. Eliel sorriu com a ideia. Pensou em Tadeu e lembrou-se das vezes em que o viu beijá-la. Eliel temia que todas as suas lembranças em relação a Cibele perdessem a poesia e se transformassem num emaranhado de imagens e sentimentos confusos e desgastados pelo tempo.

FIM DO 18º CAPÍTULO DA PARTE 3 (A DIMENSÃO DOS ELFOS) DE “REALIDADE MÁGICA – LIVRO 2”.
Sisi Marques
20/11/2013

NO PRÓXIMO SEGMENTO, NÃO PERCA A CONTINUAÇÃO DA PARTE 3 (A DIMENSÃO DOS ELFOS) DE “REALIDADE MÁGICA – LIVRO 2”.

Grata,
Sisi Marques

Que os seus sonhos se realizem!

Sobre Sisi Marques

Sou apaixonada pelos personagens e pelas histórias que povoam a minha imaginação. Amo escrever, porque é através da escrita que consigo registrar os momentos maravilhosos que essas realidades mágicas me proporcionam.
Esta entrada foi publicada em A DIMENSÃO DOS ELFOS (LIVRO 2 - PARTE 3). Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>