A DIMENSÃO DOS ELFOS (Capítulo XVI)

Um dia após a chegada de Derlo ao Coração das Fontes da Juventude, Afrânio parecia não se cansar de dizer a Tadeu:

– Você agiu mal! Agiu muito mal! Eu já lhe disse isso ontem e torno a dizer: você não deveria ter confiado em Derlo! Ele roubou o cajado para atender aos seus propósitos escusos. Ele nunca teve a intenção de ajudar Cibele.

Tadeu afirmou:

– Você está enganado a respeito do seu irmão. Ele já ajudou Cibele uma vez e pretende ajudá-la novamente. Derlo é muito mais sensível do que você e Ermínio.

Afrânio exclamou:

– Não se iluda, Tadeu! Não é me ofendendo que escapará ileso da traição de Derlo. Foi você quem o incentivou a roubar o cajado, e isso o torna cúmplice.

Cibele, que acabara de voltar da árvore de Eliel, sentou-se ao lado de Tadeu e perguntou:

– Por que vocês estão discutindo?

Tadeu colocou o braço ao redor de seus ombros antes de dizer:

– Não estamos discutindo. Eu estava preocupado com você. Eu já não lhe disse que não deve ficar tanto tempo sozinha naquela árvore?!… Eu me sinto um idiota!… Abri mão do quarto para que você pudesse ocupá-lo; eu venho aqui visitá-la, e Crisélia me diz que você continua dormindo na árvore.

Cibele sussurrou:

– Não grite porque pode assustar o bebê.

Tadeu disse:

– Eu não estou gritando, só estou dizendo o que penso.

Cibele, contemplando o nervosismo no rosto de Afrânio, perguntou:

– Por que você está tão nervoso?

Descontrolando-se, Afrânio respondeu sem medir as palavras:

– Porque você e Tadeu são dois irresponsáveis! Você libertou Derlo daquela maldita ânfora, e Tadeu o incentivou a roubar o cajado para libertar Eliel. Derlo nunca teve a intenção de libertar Eliel. Ele tem sede de poder e usará o cajado em benefício próprio. Quanto a Eliel, ele aceitou o seu destino e permanecerá ao lado de Lorena.

Contemplando as lágrimas de Cibele, Tadeu exclamou:

– Já chega, Afrânio! Vá para a sua casa e nos deixe em paz!

Para provocar Tadeu, Afrânio rebateu:

– A casa não é sua para você me expulsar. Virei aqui quantas vezes desejar e digo mais: se existe um pouco de juízo nessa sua cabeça oca, case-se com Cibele para que essa criança possa ter um pai.

Cibele afirmou:

– Mesmo ausente, o pai do meu filho é Eliel.

Afrânio comentou:

– Você diz isso agora, porque a criança ainda não nasceu. Você pensa que o seu filho não se ressentirá ao ver que todos os seus amiguinhos têm um pai e só ele que não?!…

Tadeu exclamou:

– Pare de atormentar Cibele! Nem filhos você tem!

Afrânio rebateu:

– Mas Derlo e eu fomos criados sem um pai, e veja no que ele se transformou!

Nesse exato momento, Derlo apareceu e, embora tivesse ouvido o comentário de Afrânio, preferiu calar-se. Aproximando-se dele, Tadeu perguntou:

– Por que Eliel não retornou com você?

Antes que Derlo pudesse responder, Cibele também se aproximou para perguntar:

– Você viu Eliel?!… Como ele está?…

Derlo conduziu Cibele delicadamente de volta ao sofá e, sentando-se ao seu lado, disse:

– Eliel não está mais no Coração das Fontes da Juventude. Lorena acredita que ele tenha atravessado um portal que conduz à dimensão dos elfos.

Foi Afrânio quem perguntou:

– Como isso é possível?

Contemplando as lágrimas no rosto de Cibele, Derlo explicou:

– Eliel ficou muito tempo explorando a floresta na esperança de encontrar um portal que o trouxesse de volta para Cibele. Ele deve ter encontrado um portal que, em vez de trazê-lo para cá, conduziu-o a outra direção.

Cibele perguntou com a voz entrecortada:

– Ele conseguirá voltar?…

Derlo afirmou:

– Se depender de mim, sim. Eu não descansarei enquanto não descobrir qual foi a árvore que ele utilizou para realizar a travessia.

Foi Tadeu quem perguntou:

– Por que você acha que o portal está localizado em uma árvore?

Derlo exclamou:

– Elfos adoram árvores! O portal só poderia estar escondido em uma delas! Eu prometi a Lorena que voltaria e pretendo voltar para continuar a busca.

Afrânio ordenou:

– Entregue o cajado para que eu possa devolvê-lo.

Derlo explicou:

– Sem o cajado, não poderei voltar. Além disso, se eu encontrar a árvore que abriga o portal, precisarei do cajado para abri-lo e mantê-lo aberto para que Eliel possa retornar.

Cibele implorou:

– Por favor, deixe-me ir com você. Eu não conseguirei ficar aqui esperando.

Foi Tadeu quem disse:

– Mas você precisa porque não está apenas esperando o retorno de Eliel. Está também aguardando a chegada de um bebê. Amanhã eu prometo levá-la para ver a casa. Se ela for do seu agrado, começaremos a pensar nos móveis do quarto do meu sobrinho.

Cibele murmurou:

– Eu quero ver Eliel, Tadeu. Eu preciso vê-lo porque, do contrário, acabarei enlouquecendo.

Derlo disse:

– Eu vou lhe fazer uma promessa, Cibele. Você confia em mim?

Com o rosto banhado em lágrimas, ela fez um movimento afirmativo com a cabeça, e Derlo acrescentou:

– Se eu encontrar a árvore que afastou Eliel de você e falhar em trazê-lo de volta, eu prometo que a levarei até ela.

FIM DO 16º CAPÍTULO DA PARTE 3 (A DIMENSÃO DOS ELFOS) DE “REALIDADE MÁGICA – LIVRO 2”.
Sisi Marques
20/11/2013

NO PRÓXIMO SEGMENTO, NÃO PERCA A CONTINUAÇÃO DA PARTE 3 (A DIMENSÃO DOS ELFOS) DE “REALIDADE MÁGICA – LIVRO 2”.

Grata,
Sisi Marques

Que os seus sonhos se realizem!

Sobre Sisi Marques

Sou apaixonada pelos personagens e pelas histórias que povoam a minha imaginação. Amo escrever, porque é através da escrita que consigo registrar os momentos maravilhosos que essas realidades mágicas me proporcionam.
Esta entrada foi publicada em A DIMENSÃO DOS ELFOS (LIVRO 2 - PARTE 3). Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>