O GUARDIÃO DO CORAÇÃO DAS FONTES DA JUVENTUDE (Capítulo XVII)

Enquanto Eliel e Lorena continuavam conversando; Tadeu, envolvido em seus afazeres no restaurante, pensava em Cibele. Não conseguia compreender por que Eliel decidira afastar-se. Lembrou-se do que dissera a ele sobre a sua inconstância e a sua infidelidade. Mas depois abandonou a ideia de ter tido algo a ver com sua partida repentina.

Finalmente ele telefonou a Crisélia para perguntar:

– Cibele já acordou?

Crisélia respondeu:

– Sim. E eu consegui trazê-la para cá.

Tadeu desligou o telefone, largou tudo e foi ao encontro de Cibele. Só tranquilizou-se quando pôde mergulhar em seus olhos. Perguntou:

– Você está bem?

Ela respondeu desanimada:

– Sim. Você e Crisélia têm que parar de me tratar como se eu fosse uma criança. Eu ficarei bem. E por que não ficaria? Eu usei de sinceridade quando disse que Eliel possuía todos os atributos para ser o Guardião. Eu abri mão do meu amor por ele para que ele pudesse cumprir um destino maior do que simplesmente permanecer ao meu lado. Eu não sei se agi bem, se agi mal… Eu só sei que me sinto péssima!

Olhando-a com doçura, Tadeu comentou:

– Você acabou de dizer que ficaria bem.

Ela respondeu tristemente:

– Eu menti. Já fui chamada de orgulhosa. E agora não me importo de ser chamada de egoísta. Só o que desejo é ter Eliel de volta. Eu o quero só para mim. Não foi uma boa ideia eu ter vindo aqui. Preciso voltar para a árvore de Crisélia.

As lágrimas rolavam livres pelo rosto de Cibele quando ela afirmou:

– Eu deveria estar feliz por ter proporcionado a Lorena a oportunidade de conhecer alguém como Eliel. Ela é tão generosa, tão gentil… Por que eu não consigo me sentir feliz por ela?!… Eu cometi uma tolice. Eu não aceito perder Eliel para ninguém, porque eu não sei viver sem ele. É como se o chão estivesse estalando e se abrindo sob os meus pés, e eu começasse a cair em um buraco sem fim.

Tadeu exclamou:

– Eu sou o único responsável pelo seu sofrimento! Se eu tivesse ficado naquele maldito lugar, nada disso estaria acontecendo!

Cibele o repreendeu:

– Por favor, não macule a imagem daquele lugar. Talvez eu tenha agido de modo acertado… Eu só não sei por que dói tanto! Eu estou cansada, Tadeu. Eu não sei viver neste mundo. Sinto-me oprimida, sufocada… Era o amor de Eliel que me fortalecia… Sem esse amor, eu não sou nada!

Colocando o braço ao redor dos ombros de Cibele para confortá-la, Tadeu disse:

– Se houvesse um modo, eu trocaria de lugar com ele. Eu sempre o achei perfeito em tudo e mais digno do seu amor do que eu. Talvez seja ele mesmo o Guardião, porque eu não me encaixo nesse perfil e jamais conseguiria adaptar-me àquele lugar. Solte-o, Cibele. Deixe-o ir. Você jamais ficará sozinha, porque eu estarei sempre ao seu lado para protegê-la.

FIM DO 17º CAPÍTULO DA PARTE 1 (O GUARDIÃO DO CORAÇÃO DAS FONTES DA JUVENTUDE) DE “REALIDADE MÁGICA – LIVRO 2”.
Sisi Marques
14/10/2013

NO PRÓXIMO SEGMENTO, NÃO PERCA A CONTINUAÇÃO DA PARTE 1
(O GUARDIÃO DO CORAÇÃO DAS FONTES DA JUVENTUDE) DE “REALIDADE MÁGICA – LIVRO 2”.
Grata,
Sisi Marques

Que os seus sonhos se realizem!

Sobre Sisi Marques

Sou apaixonada pelos personagens e pelas histórias que povoam a minha imaginação. Amo escrever, porque é através da escrita que consigo registrar os momentos maravilhosos que essas realidades mágicas me proporcionam.
Esta entrada foi publicada em O GUARDIÃO DO CORAÇÃO DAS FONTES DA JUVENTUDE (LIVRO 2 - PARTE 1). Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>