DE VOLTA À DIMENSÃO DAS BRUXAS (Capítulo XL)

Quando Tadeu foi encontrar-se com Eliel, ele disse:

– Perdoe-me por ter vindo tão tarde. Se eu soubesse que você desejava falar comigo, eu teria voltado da academia bem antes.

Eliel confidenciou:

– Não se preocupe com o horário… Eu nem deito porque sei que não conseguiria dormir. Enquanto eu o esperava, algo extraordinário aconteceu. Eu estava segurando o espelho de Cibele e, sem querer, molhei a sua superfície com as minhas lágrimas… Inexplicavelmente, um brilho dourado surgiu e contornou a superfície do espelho como se fosse uma bolinha saltando. O brilho, porém, logo desapareceu. Eu tenho a certeza de que não foi a minha magia e nem a magia de Cibele que provocou o fenômeno. Era algo mais sutil e transcendente. Eu nunca vi nada igual!

Contemplando o rosto abatido de Tadeu, Eliel perguntou:

– Como você está?

Ele respondeu:

– Eu me sinto péssimo e não sei disfarçar. Clara se aborrece e, para evitar discussões, eu acabo indo à academia. Agradeço-lhe por ter me convidado a vir aqui. Na sua presença, eu me sinto mais próximo de Cibele.

Eliel sorriu tristemente antes de confessar:

– Foi por esse mesmo motivo que o convidei a partilhar a minha desventura: você é a lembrança viva de Cibele. Ouça, essa foi a última vez que você utilizou a magia do anel de Felizardo; aqui está um anel feito exclusivamente para você. Venha visitar-me sempre que sentir necessidade de desabafar.

Apenas o olhar de Tadeu conseguiu agradecer, porque os seus lábios não encontravam palavras. Ele ficou ainda mais comovido quando ouviu Eliel dizer:

– Eu preciso da sua ajuda em um experimento. Eu tenho a certeza de que você conseguiria ajudar-me a sustentar a magia daquele brilho por um período maior de tempo.

Sentado ao lado de Eliel no sofá, Tadeu perguntou:

– O que você espera que eu faça?

Eliel respondeu:

– Pense em Cibele e permita que o amor que você sente por ela irradie do seu coração em toda a sua amplitude enquanto seguramos a haste do espelho.

Tadeu, balançando a cabeça para os lados, expressou sua relutância quando disse:

– Não, Eliel!… Eu sinto muito, mas não dará certo. Você é o marido de Cibele, e eu não posso me permitir chorar, na sua frente, por estar pensando nela. Esse sentimento é muito íntimo para ser compartilhado.

Sem alterar o tom de voz, Eliel sugeriu:

– Faça de conta que eu não estou aqui, porque eu farei o mesmo em relação a você. Esqueça a nossa rivalidade, esqueça o meu ciúme e expresse na cor azul a imensidão do seu amor. Não existe magia maior do que o amor verdadeiro. Não reprima as lágrimas. Ao contrário, permita que elas caiam sobre a superfície do espelho para que o milagre aconteça. Acalente em seu coração a esperança de ver o rosto de Cibele refletido no espelho. Você e eu somos os dois grandes amores de Cibele, e o pulsar dos nossos corações em uníssono representará o seu próprio coração. Duas metades separadas se unindo para devolver ao coração de Cibele a sua inteireza e a sua invulnerabilidade.

Eliel fingiu não notar as lágrimas que já começavam a correr livres sobre o rosto de Tadeu. Ele também emudeceu para se permitir ouvir a voz do próprio coração. Os dois seguraram a haste do espelho e deixaram, propositadamente, as lágrimas que transbordavam de seus olhos tocarem a sua superfície. Minutos depois, ambos sobressaltaram-se com a fulgurante luz dourada que estendeu seus raios a partir do espelho e inundou o interior da árvore. Involuntariamente, Eliel e Tadeu fecharam os olhos para protegê-los do brilho excessivo. Logo, porém, a claridade dissipou-se, e eles, decepcionados, contemplaram a face inerte do espelho.

Tadeu comentou:

– Clara deve estar preocupada com a minha demora; é melhor eu ir.

Ao levantar-se do sofá, no entanto, os olhos de Tadeu esbarraram em algo que ele não havia notado anteriormente. Intrigado, perguntou:

– Essa joia já estava sobre a mesinha quando cheguei?… Eu não me lembro de tê-la visto.

Eliel, ainda mais perplexo, disse:

– O seu brilho dourado se assemelha à luminosidade que se irradiou do espelho. Pensamos que o nosso experimento tivesse fracassado porque não vimos o reflexo do rosto de Cibele, mas algo ainda mais surpreendente aconteceu… Talvez essa joia possa nos ajudar a trazê-la de volta. Precisamos fazer com que Cibele a receba e a use.

Tadeu concordou:

– Você deve estar certo. Ela é tão delicada e preciosa que eu tenho até receio de tocá-la.

Eliel apanhou a corrente enquanto dizia:

– Segure-a… Ela é real e não irá se desfazer se você tocá-la. Você terá que entregá-la a Cibele porque eu não consigo ter acesso à casa de Florêncio.

Tadeu, decidido, disse:

– Só preciso passar na casa de Felizardo para apanhar a chave e a esfera no meu quarto. Você acredita que o anel que me entregou hoje conseguirá transportar-me da floresta até a casa de Florêncio?

Eliel respondeu:

– Eu acredito que sim. Além do anel e do seu amor por Cibele, você ainda tem essa preciosidade em suas mãos. Veja como o pingente no formato de coração brilha quando você o toca. Ele também brilhou quando o toquei. Talvez Florêncio não consiga aproximar-se dele. Cibele deve ser protegida por alguma fada. Mas como isso é possível se ela é uma bruxa?!…

Tadeu exclamou irradiando otimismo:

– Não importa!… Presente é presente, e a joia só pode ter sido destinada a ela. Lembre-se de que foi o amor que sentimos por Cibele, iluminado e aquecido por aquela luz, que motivou a materialização. Deseje-me sorte.

Eliel, com o coração renovado pela esperança, abraçou-o dizendo:

– Vença a distância até a casa de Florêncio. Encontre Cibele e beije-a. Beije-a duas vezes: uma por você; e a outra por mim, e diga que eu a amo.

Tadeu, emocionado, sorriu e, girando o anel que ganhara de Eliel, desapareceu confiante.

Sisi Marques
27/08/2014

NO PRÓXIMO SEGMENTO, NÃO PERCA A CONTINUAÇÃO DA PARTE 4 (DE VOLTA À DIMENSÃO DAS BRUXAS) DE “REALIDADE MÁGICA – LIVRO 2”.

Grata,

b carimbo 1

placa 3

Sobre Sisi Marques

Sou apaixonada pelos personagens e pelas histórias que povoam a minha imaginação. Amo escrever, porque é através da escrita que consigo registrar os momentos maravilhosos que essas realidades mágicas me proporcionam.
Esta entrada foi publicada em DE VOLTA À DIMENSÃO DAS BRUXAS (LIVRO 2 - PARTE 4). Adicione o link permanente aos seus favoritos.

3 respostas a DE VOLTA À DIMENSÃO DAS BRUXAS (Capítulo XL)

  1. Ketlyn Mayla disse:

    Estou ansiosa pra ler os próximos capítulos.
    Parabéns, Sisi, a história “de volta à dimensão das bruxas” é muito linda :) e gostosa de se ler.

  2. Ketlyn Mayla disse:

    Nunca deixe de escrever. ^-^

  3. Sisi Marques disse:

    Fico muito feliz, Ketlyn, por você gostar da história “Realidade Mágica” e de seus personagens. O 2º livro está chegando ao fim. Mas novas emoções nos aguardam!… Em breve, darei início à revisão do 3º livro.
    Obrigada pelo carinho e por suas palavras de incentivo. Beijos

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>